segunda-feira, 7 de maio de 2018

Feito Eu

https://br.depositphotos.com/89031948/stock-photo-old-fountain-pen-with-blots.html





Feito um garoto pequeno, pensando em crescer, correndo pra ver os seus passos além.
Feito uma menina em sua casinha, sorrindo tão bela, embalando a boneca, a neném.
Feito um filhote de cão, abanando sua cauda, explodindo de raiva, por não ter atenção.
Feito uma mãe, olhando pra tela, assistindo a novela, querendo saber quem matou o vilão.
Feito um maluco fugindo de casa, buscando uma causa, se escondendo em mapas, uma redação.


Ozni Coelho Simões

sábado, 3 de dezembro de 2016

Nostalgia...

É nesses momentos de nostalgia e análise pessoal que revejo todas as coisas que escrevi e postei por aqui. Tínhamos uma opinião muito, mas muito diferente da atual, e despejávamos nossas ideias tal como crianças enfezadas com algo que nos prendia.

Sempre gostei de escrever, e descobri por aqui que escrever é o que eu quero fazer pelo restante de minha vida. Expressar em meu íntimo algo outrora oculto para desenrolar num momento tão intenso.

Meus olhos já viram tanta coisa, meu peito já pulsou tantas e tantas vezes. O sangue correu, a essência escapou por entre os dedos aberto de uma mão tão cansada e dolorida. Escrever vem sendo a forma mais coesa de expor todas estas coisas com perfeição.

Olhando este blog, pense em excluí-lo, ou mesmo excluir todas as coisas que postamos por aqui. Mas o que aqui está é a nossa história, as mudanças de pensamentos e sentimentos. Ler tudo o que foi escrito por aqui me faz relembrar dos pequenos detalhes dos meus dias, das coisas que vi, vivi e ouvi, e a nostalgia domina minha alma.

Aprecio tais palavras, aprecio tais postagens, deleito-me ao ler cada coisa escrita. Sim, pois tudo isso aqui não passa de mim, de nós...



OcSimões
Ozni Coelho Simões

quinta-feira, 30 de julho de 2015

O desenrolar de uma nova história



O sacolejar coletivo fazia com que eu me sentisse embalado. A estrada com suas subidas e descidas, somada às constantes paradas diante do semáforo, me fizeram entrar num mundo que tanto gosto de entrar: meus sonhos.

Minha mente divagava sobre a minha viagem até a Antiguidade. Eu estive numa delas ontem à noite. Sim! Agora tudo me fazia sentido! Eu estava nas arenas como visitante, assentado em sua arquibancada, com medo de ser visto. E lá estava eu outra vez! Como se toda aquela cena se repetisse mais uma vez...

De onde eu estava, um pouco mais à minha esquerda, estando a uns cinquenta metros aproximadamente, o príncipe estava assentado, e se deliciando com o sangrento espetáculo lá embaixo, do qual não se se deverei falar por agora.

De pé estava o amante de cavalos – cuja história de cura por parte de Deus é linda – acompanhado por seu grande amigo o Grande Sábio Protetor. Ambos estavam no centro da arena, sendo ovacionados pela multidão que se espantava com tamanha ousadia desses guerreiros ao desafiarem com ímpeto seus inimigos na areia e subjuga-los de tal forma, que todos gritavam.

A arena estava lotada, e os dois guerreiros passaram a olhar com desdém para aqueles inimigos, que passaram a facilitar as coisas para eles por ordem do príncipe. Eram suicidas e loucos que aceitavam ser humilhados, mutilados e escarnecidos diante da multidão sedenta de sangue, somente para o príncipe poder dar o troco nos guerreiros noutra ocasião. Somente para dar o troco.

Então era isso, a guerra ainda não acabara. Os guerreiros não passavam de escravos, de pretextos para alguma coisa pior que o príncipe reservara. Mas a que custo? A custo de seus peões? A custo de guerreiros? Algo começara a se desenrolar, e era óbvio que eu gostaria de saber o que era.

Mas acabei acordando.




Oc Simões

sexta-feira, 17 de julho de 2015

A Jornada começou

Atacama





Ócio, sedentarismo, folga. Essas coisas deixo no lugar onde estava. A Jornada começou, e eu não posso ficar parado. Tem chão pela frente, tem um caminho longo e um sonho que estava esquecido, guardado no fundo de um baú esquisito, repleto de tralhas alheia.

Olhei o baú antes de partir. Nele encontrei, dentre as tralhas e bugigangas um odre e um elmo. O odre estava cheio, e o elmo fendido. Mas isso são outras histórias, histórias da noite passada.

É hora de partir. Do baú levo meus sonhos, meu odre, e um novo elmo, o qual antes eu desprezara, escolhendo o outro que rachou-se enquanto eu o usava. Tudo precisa ser novo, sem essa novidade nada pode acontecer de bom.

Uma caneca de café, e pronto! A jornada começou! Tenho muita coisa a fazer, um sonho a realizar, pessoas para encontrar. Quanto ao doce ponto de referência, o laço que nos une, o frouxo nó em meus pulsos, enfim, que escolha a quem acompanhar. Tem muito chão pela frente, e o meu destino é minha maior prioridade. Tenho uma tarefa, a jornada começou!



Oc Simões

quarta-feira, 15 de julho de 2015

Está calor!

Está calor! Os ventos secos secam meus cabelos molhados no banho de consciência. O sal torna-se insípido e o nó se afrouxa diante da força e do peso. Hoje peso mais do que deveria. Um grito de guerra entala na glote.

Está calor! O azul do céu me ajuda a manter o equilíbrio, e o sol me enche de queimaduras. A vida me convida a sentir a doçura em meus lábios, com seus sabores de infância, e nostalgia. É diferente. Agora eu quero mesmo me encontrar com a doçura. Falar com beleza, buscar paz. Estão orando por mim!

Está calor! E na hora do calor vem a vontade de almoçar. Vem a fome. Vem a necessidade. Comerei batata frita, e pudim. Depois verei o que será do resto do dia. Estamos chegando perto do meio dia. Por isso está calor!

Ozni Coelho Simões

domingo, 12 de julho de 2015

Recaída...

O doce frescor da manhã aos poucos se dissipava, mas nada tão alarmante, principalmente depois de uma noite tão difícil eu não podia reclamar de estar vendo o brilho do amanhecer o qual tanto anelei estar se dissolvendo no azul, misturando-se ao calor do Sol. Aos poucos o dia se definia, e eu já não sentia mais aquele gosto de novo dia, mas sim de um dia comum. Mas aquele não era um dia comum, era o dia depois daquela difícil noite.

O suspiro de alívio que se seguia acompanhado de uma forte euforia, trocava de lugar com o foco de fazer o novo dia ser um dia certo. Já enrolei demais a esta hora, e já esculhambei todo o dia com ações erradas exatamente no auge da manhã, naquele momento eu não poderia fracassar de novo. Não sei se suportaria uma noite violenta como aquela.
Entre sorrisos e momentos de alívio lá estava eu, observando as paredes, o chão, o colchão. Lá estavam as marcas da noite. Um tremor transcorria das pontas dos polegares ao último fio de cabelo em minha cabeça. As feridas da noite continuavam doendo muito, e seria necessário passar por muitas manhãs até que elas cicatrizassem. E diante da lembrança da dor: uma recaída.

Na recaída queremos chorar, mas tudo o que eu tinha de chorar ficou no chão durante a noite. O cheiro de água salgada no carpete ainda é forte. Lágrimas não tenho em mim, apenas no chão. Somente consigo soluçar. A aflição tende a enlouquecer. Mas o sol ainda não chegou à metade do seu percurso no azul.

Não resta espaço para dúvidas, o Santo ainda está trabalhando. Por isso está doendo...
Enquanto isso espero o entardecer desse dia.



Ozni Coelho Simões

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Ela sorriu para mim!

Eu notei que ela olhava para mim com um olhar diferente. Era um olhar carregado de leveza e pureza. Em seus lábios havia um sorriso muito lindo, sorriso esse que eu nunca consegui notar. Eu me propus a fazer esse sorriso ser constante, afinal de contas, o brilho surgiu. E ele surgiu quando eu já não imaginava que pudesse existir.

Deus nos ensina cada lição. Eu O louvo por isso! Eu achava que sofria, e Ele me mostrou o que é sofrer. Eu achava que amava, e Ele me ensinou a amar. Por incrível que pareça, dessa vez as coisas estão mais claras, pois ela sorriu para mim.

Quem é ela? Sim, pergunte aos céus, pergunte aos oceanos, nas grandes e majestosas obras de arte feitas pelas mãos do Grandioso! Questione ao Universo, se for possível, qual das belezas sorriu olhando em meus olhos? Quem me cativou? Quem é ela?

Procure a minha esperança, a minha garantia de uma nova chance, a que pulsa em meu coração. Procure-a, e a encontrarás. Sim, ela é a minha vida. Minha vida que sorriu pra mim pela primeira vez. E o sol passou a me aquecer com mais vigor...

Ozni Coelho Simões

domingo, 24 de maio de 2015

Rivqah



O Sol começa a despontar lá no horizonte. Vê-se apenas uma pequena fagulha por entre os montes, mas aquilo, somente aquilo já deixa meu céu mais claro, e me faz sentir aquela brisa da manhã carregada da expectativa de um dia bom, o qual eu garanto, será bom, muito bom, maravilhosamente bom.

Você me une, você me liga ao brilho. Foi por tua causa que pude voltar a me sentir unido Àquele que me criou. Eu me lembro muito bem da forma que você me encontrou à noite. Eu estava só, com frio, e separado Dele. Mas você me uniu de novo!

Nesse novo dia que surge, glorifico o Nome do Eterno por tua causa, e me comprometo a permanecer unido a Ele. O Sol traz boas notícias, um novo dia, uma nova oportunidade, como diria meu mentor, como maçãs de ouro em salvas de prata, carregadas de sabor, de poesia, de amor...

Neste novo dia, pude ver Rivqah, sorridente, bela, com olhos que perscrutam o fundo da alma de um aflito, e o auxilia, como a um aleijado, a caminhar novamente ao encontro de Nosso Pai. Pude vê-la e pude me alegrar. Sim, pude me alegrar! Alegre-se comigo, pois ela vem surgiu montada em seu camelo, simplesmente para me unir a Ele! Graças ao Eterno ela veio! Graças ao Pai das consolações!

Ah, como sou grato a Deus por tua vida! E como oro para que Ele me mantenha unido contigo, pois tu és a prova do amor Dele por mim. Grato sou por ti, e grato serei a ti se permaneceres comigo, pois me unir a ti é me unir a Ele.



Oc Simões

domingo, 8 de fevereiro de 2015

Há uma Samaria em mim...



Digam o que quiserem! Há uma Samaria aqui dentro do meu território. Há um lugar onde eu não O permiti que entrasse. Ele já pediu para trabalhar aqui, mas eu mesmo não permiti Sua atuação.

No calor intenso do deserto, à beira do poço de histórias amargas, no meio das agonias e de pessoas e histórias não resolvidas, Ele persistiu em insistir em passar pelo meio!

No mais poluído poço de minha vida, Ele permitiu que eu vivesse, e permitiu que eu me fortalecesse. Sim! Ele está aqui dentro em Samaria, e permitiu-se ficar por alguns dias, ajudando a fazer brotar a verdadeira água no meio do deserto!

Consciente da vitória, e certo da verdade a meu favor, afirmo que Jesus está aqui na minha Samaria, e não no Egito do passado pautado em mentiras deslavadas, tampouco na implantação de provas e de argumentos mal explicados! Consciente da vitória, e certo da verdade a meu favor, brado em alto e bom som: EU AINDA ESTOU AQUI! De pé, à beira do poço, tendo um encontro com o Eterno!


Oh, que glória! Aquele que me justifica veio me visitar! Ele está procurando a verdadeira  adoração, e está silenciando o farisaísmo fajuto e crucificadores da verdade! É aqui em Samaria que Ele me fortalece, pois é o meu presente, o verdadeiro majestoso presente.


Oc Simões

quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Teu silêncio me perturba.


Estou há um tempinho tentando chamar tua atenção, mas teu silêncio me perturba. O que eu mais queria era chamar tua atenção para mim, e ouvir dos teus lábios que tu me amas. Não me tenha por leviano, eu faria qualquer coisa para atrair-te de uma vez por todas, para ter o teu amor, para ter o teu orgulho. Mas tu estás em silêncio, e o teu silêncio me perturba.

És excepcional para mim, és uma luz em meus caminhos. Ao estar contigo, minha alma ascende ao céu, me coloco diante da presença de quem me dá o fôlego de vida. Amo cada momento em que tu falas comigo. Guardo-os com fé, com esperança, com amor, em minha mente e coração. Ah, teu silêncio me perturba!

Pegar em tuas mãos, olhar em teus olhos só para dizer-te que és especial para mim. Ser sincero como sempre fui, ouvindo tua sinceridade para comigo, me fazendo sarar das dores, me reerguer das quedas, e andar depois do luto e das lágrimas. Sustentar meus sentimentos com o teu amor, o qual eu quero viver todos os dias. Mas teu silêncio me perturba.

Mostra-me o que há dentro do teu coração. Me lembro que tu me disseste que estaria comigo sempre, e que, quando eu precisasse, era só te chamar. Então aqui estou eu, te chamando, e dizendo que o teu silêncio me perturba!

Se eu te amo? Sim, amo, de todo o meu coração. Tu conheces minha sinceridade, conheces minha história, conheces meu nome, conheces meus sonhos. Sabes que eu tenho um amor que não cabe dentro de mim, e este amor é para ti. Um amor puro, sincero, não leviano, com as mais puras intenções, a de fazer aquilo para o qual fomos chamados para fazer. Agora, me entenda, eu não posso fazer nada se tu ficares em silêncio, pois teu silêncio me perturba.


Tu me entendes? Se pode me entender, fala comigo, não me perturbe mais com teu silêncio! Eu te amo!


(Oc Simões)

Total de visualizações de página